Notícias UNIPAC

UNIPAC adere à campanha “Março Azul Escuro” contra o câncer colorretal

A FUPAC/UNIPAC, apoia a campanha Março Azul Escuro, que visa conscientizar a população quanto à prevenção do câncer colorretal. A seguir, texto feito pela coordenadora do curso de Biomedicina, professora Luna Gomide.

O câncer colorretal abrange os tumores que iniciam no intestino grosso, em uma parte chamada cólon, e também tumores no final do intestino, em uma parte chamada reto, situada antes do ânus.     

O tempo médio entre o início dos sintomas e o diagnóstico pode variar de 2 ou 3 meses a 10 meses, sendo os sintomas mais comuns: a presença de dor e desconforto abdominal, sangue nas fezes, perda de peso, alteração do trabalho intestinal (prisão de ventre e diarreias) e presença de tumor abdominal.

Assim como em outros tipos de câncer, o histórico familiar está relacionado com uma chance maior de desenvolver a doença, porém hábitos de vida saudáveis podem influenciar diretamente no aumento da probabilidade de diagnóstico do câncer colorretal, como por exemplo: excesso de peso, alimentação com déficit de frutas, fibras e vegetais, consumo de alimentos processados como presunto, mortadela, salsicha, salame. A ingestão exagerada de carne vermelha (500 gramas de carne por semana, segundo o INCA) também pode estar relacionada ao aumento do risco da doença. Pessoas com histórico de doenças inflamatórias do intestino devem ter um acompanhamento diferenciado.

As formas mais eficazes de prevenção para esse e outros tipos de câncer estão relacionadas ao estilo de vida. Praticar atividade física, escolher hábitos alimentares saudáveis, com alimentos ricos em fibras para auxiliar no trabalho intestinal, manter o peso corporal e não fumar são formas de manter o metabolismo corporal funcionando de forma saudável, evitando assim o desenvolvimento de células malignas.

Os principais exames laboratoriais para detecção precoce do câncer colorretal são: o exame de pesquisa de sangue oculto nas fezes, realizado em laboratórios de análises clínicas à partir de uma amostra de fezes, e a colonoscopia ou retossigmoidoscopia, exames invasivos que capturam imagens reais do intestino. O diagnóstico final é feito através de uma biópsia, que consiste em retirar um pedaço do tecido do local suspeito e levar para análise microscópica.

O câncer colorretal tem boas taxas de cura quando detectado de forma precoce. O tratamento vai depender do tamanho e do local da lesão encontrada, podendo ser cirúrgico (retirando parte do tecido afetado), incluindo, se necessário, tratamento com radioterapia e quimioterapia. As melhores formas de se cuidar são através de um bom acompanhamento médico, com a realização de exames periódicos, e a escolha de hábitos de vida saudáveis. Como seus sintomas são comuns em outras doenças não ignore os primeiros sinais. Lembre-se que a saúde do seu corpo depende de você. Cuide-se!